-->

Em editora amarylis halloween ira levin livros que viraram filmes o bebê de rosemary roman polanski rosemary's baby suspense terror

Resenha: O bebê de Rosemary - Ira Levin

Livro: O bebê de Rosemary
Autor: Ira Levin
EditoraAmarylis
Páginas224
Nota:⭐⭐⭐⭐+ 🧡


Sinopse

Rosemary Woodhouse e seu marido Guy, um ator que luta para se firmar na carreira, mudam-se para um dos endereços mais disputados de Nova York, o Bramford, um edifício antigo de ares vitorianos, habitado em sua maioria por moradores idosos e célebre por uma reputação algo macabra de incidentes misteriosos ao longo da história. Sem demora, os novos vizinhos, Roman e Minnie Castevet, vêm dar boas-vindas aos Woodhouse. Apesar das reservas de Rosemary com relação a seus hábitos excêntricos e aos barulhos estranhos que ouve à noite, o casal idoso logo passa a ser uma presença constante em suas vidas, especialmente na de Guy. Tudo parece ir de vento em popa. Guy consegue um ótimo papel na Broadway, e novas oportunidades não param de surgir para ele. Rosemary engravida, e os Castevets passam a tratá-la com atenção especial. Mas, à medida que a gestação evolui e parece deixá-la mais frágil, Rosemary começa a suspeitar que as coisas não são o que parecem ser... Em 1969, O bebê de Rosemary, fenômeno aclamado por público e crítica, foi adaptado para o cinema em uma produção que se tornou um clássico do terror, estrelada por Mia Farrow e Roman Polanski. Em 2014, a força da história sinistra de Rosemary e seu bebê chegou à TV americana, em uma elogiada minissérie estrelada por Zoe Saldana.


Minha opinião

Rosemary e Guy Woodhouse acharam o apartamento dos sonhos, bem grande e com tudo que eles tinham em sua lista de desejos, o lugar perfeito para esperar por seu primeiro filho.

Logo que se mudam, Rosemary e Guy fazem amizade com Roman e Minnie Castevet, um casal de idosos muito simpático e solícito. Aos poucos Rosemary e Guy fazem amizade com todos os amigos dos Castevet.

Um dia os Woodhouse estão jantando quando Minnie bate à porta para entregar uma sobremesa. Rosemary come, apesar de achar o gosto um pouco estranho e após comer a sobremesa ela fica muito cansada e vai dormir, mas tem um sono agitado, repletos de pesadelos. Pelo menos Rosemary acha que são pesadelos.

Tudo é esquecido quando os Woodhouse descobrem que estão finalmente esperando seu primeiro filho, mas a felicidade não vai durar muito, pois Rosemary começa a notar um comportamento estranho dos Castevet e seus amigos e pior, em Guy, seu marido.

O bebê de Rosemary é um clássico de terror e suspense psicológico. Eu já havia assistido o filme de Roman Polanski e mesmo já conhecendo a história, o livro foi magnífico, simplesmente uma obra-prima do terror. Em diversos momentos nos deixa com um frio na espinha e com ânsia para descobrir qual mistério, se é que existe um, está se abatendo sobre Rosemary.

Ira Levin foi simplesmente genial ao construir esse enredo, pois durante a leitura nos pegamos pensando "Será que a Rosemary está correndo mesmo algum perigo ou será somente alguma paranoia decorrente da gravidez?" Então o livro acaba ficando aberto a interpretações.

Livro recomendado para quem é amante do terror e do suspense.

Você pode adquirir o livro aqui.

Por Priscila Biancardi

 

Leia Mais

Compartilhe Tweet Pine

0 Comentários

Em a escolha a seleção america singer distopia editora seguinte kiera cass maxon schreave romance

Resenha: A escolha - Kiera Cass

 Livro: A escolha
Autora: Kiera Cass
EditoraSeguinte
Páginas352
Nota:⭐⭐⭐⭐+ 🧡
⚠️Livro 3 da trilogia "A seleção". Pode conter pequenos spoilers.


Sinopse

America era a candidata mais improvável da Seleção: se inscreveu por insistência da mãe e aceitou participar da competição só para se afastar de Aspen, um garoto que partira seu coração. Ao conhecer melhor o príncipe, porém, surgiu uma amizade que logo se transformou em algo mais... No entanto, toda vez que Maxon parecia estar certo de que escolheria America, algum obstáculo fazia os dois se afastarem. Um desses obstáculos era Aspen, que passou a ocupar o posto de guarda no palácio e estava decidido a reconquistar a namorada. Em encontros proibidos, ele a reconfortava em meio àquele mundo de luxos e rivalidades. Com essas idas e vindas, America perdeu um pouco de espaço no coração do príncipe, lugar que foi prontamente ocupado por outra concorrente. Para completar, o rei odiava America e a considerava a pior opção para o filho. Assim, tentava sabotar a relação dos dois, inventando mentiras e colocando a garota em prova a todo instante. Agora, para conseguir o que deseja, America precisa cortar os laços com Aspen, conquistar o povo de Illéa e conseguir novos aliados políticos. Mas tudo pode sair do controle quando ela começa a questionar o sistema de castas e a estratégia usada para lidar com os ataques rebeldes...


Minha opinião

E finalmente o último livro da trilogia! Acabou tão rápido! Já estou com saudade, embora não o suficiente para ler os spin-offs que tem avaliações bem medianas (risos). Enfim, é hora de Maxon escolher quem receberá a coroa e será sua princesa e a hora de America decidir a quem pertence seu coração: Aspen ou Maxon?

Gente, esse livro foi o meu favorito da trilogia! Eu senti de tudo nele! Vibrei, sofri, chorei, fiquei tensa. E o que dizer de Kiera Cass além de genocida, né? O sofrimento é certo nesse livro, pessoal. Ela vai fazer você se apegar a personagens e matar sem dó e quando você pensar que o ceifeiro da morte já teve sua participação, ele vem e ceifa mais.

De certa forma é um livro corrido por conta de muita coisa acontecendo para o desfecho, mas de forma alguma isso deixa o livro ruim. Nesse livro conseguimos ver bem o amadurecimento da America, especialmente quando ela se impõe para falar com o irmão dela, Kota.

Tem uma carta do pai dela no livro que me emocionou demais e se você já leu e não se emocionou, desculpa, mas você não tem coração. haha Brincadeiras à parte, o final não poderia ter sido mais perfeito. Minto, a morte de alguns personagens talvez tenho sido necessárias, mas Kiera conseguiu entregar uma trilogia muito bem fechadinha e justa.

A trilogia A seleção são livros para adolescente? Sim, mas sinceramente nunca nos importamos com isso e caso você não se importe também, é uma ótima pedida porque Kiera soube aprofundar o romance distópico trazendo algumas críticas sutis e outras nem tanto. Mais do que recomendado! Agora além de pela Priscila, por mim também! A ansiedade pela adaptação na Netflix só aumentou! E que venha As crônicas de Kane em Novembro no Lendo Sagas.

Você pode adquirir o livro aqui.

Por Amanda Rocha

Leia Mais

Compartilhe Tweet Pine

0 Comentários

Em desaparecido para sempre editora arqueiro editora sextante harlan coben mistério policial suspense

Resenha: Desaparecido para sempre - Harlan Coben

 

 Livro: Desaparecido para sempre
Autor: Harlan Coben
EditoraSextante (Atualmente é publicado pela Arqueiro)
Páginas320
Nota:⭐⭐⭐


Sinopse

No leito de morte, a mãe de Will Klein lhe faz uma revelação: seu irmão mais velho, Ken, desaparecido há 11 anos e acusado do assassinato de sua vizinha Julie Miller, estaria vivo. Embora a polícia o considere um fugitivo, a família sempre acreditou em sua inocência.

Ainda aturdido por essa descoberta e tentando entender o que realmente aconteceu com seu irmão, Will se depara com outro mistério: Sheila, seu grande amor, some de repente, e o FBI suspeita do envolvimento dela no assassinato de dois homens. Apesar de estarem juntos há quase um ano, Sheila nunca revelou muito sobre o seu passado.

Enquanto isso, Philip McGuane e John Asselta, dois criminosos que foram amigos de infância de Ken, passam inexplicavelmente a rondar a vida de Will.

Para descobrir a verdade por trás desses acontecimentos, ele conta apenas com a ajuda de Squares - seu colega de trabalho em uma fundação de assistência a jovens carentes e proprietário de uma escola de ioga famosa entre as celebridades, o que lhe garante acesso a topo tipo de pessoas e de informações.

Mestre do thriller de ação, Harlan Coben se supera nesta eletrizante história cheia de incríveis reviravoltas. Um suspense que mostra a busca pelo assassino, pela vítima e, acima de tudo, pela verdade.


Minha opinião

Após ser acusado de matar a vizinha, Ken some do mapa, e como nunca teve notícias dele, Will tem como certo que seu irmão morreu, mas sua mãe revela no leito de morte que Ken está vivo, mas será que a mãe está apenas delirando ou Ken realmente está vivo?

"A cabeça da gente faz essas coisas. Tenta descobrir uma saída. Faz acordos com Deus. Faz promessas. Tenta se convencer de que talvez ainda haja uma chance, que talvez seja tudo um sonho, o mais mórbido de todos os pesadelos é que, de alguma forma, conseguiremos encontrar o caminho de volta."

Will fica corroído pela dúvida sobre seu irmão, mas os mistérios na sua vida não acabam por aí. Quando sua namorada Sheila desaparece sem deixar rastros, Will tem certeza que os dois mistérios estão interligados e pretende investigar tudo isso, mas ele pode mexer com pessoas realmente perigosas que quem manter a verdade encoberta.

"Há uma ligação interessante entre a dor autoinfligida e o consolo, uma espécie de desejo de brincar com o foto relacionado ao sofrimento."


Desaparecido para sempre foi o primeiro livro que li do Harlan Coben fora da série Myron Bolitar e a diferença na escrita é enorme, parece até outro escritor. Enquanto nos livros do Myron temos histórias mais leves, em Desaparecido para sempre temos algo muito mais pesado, reviravoltas muito mais intensas.

"Algumas escolas de ioga ensinam mantras. Mas repetir uma frase sem parar não faz dela uma verdade."

Harlan Coben sabe direitinho como nos enganar, passei o livro inteiro suspeitando de uma pessoa e era outra, mas devo dizer que consegui adivinhar um ponto do livro, mas de forma alguma isso tirou toda a grandeza do livro e minha surpresa ao saber o desfecho do mistério. Eu adoro os livros do Harlan Coben, então sou suspeita pra falar, mas se façam esse favor e leiam esse livro.

Você pode adquiri-lo aqui.

Por Priscila Biancardi

Leia Mais

Compartilhe Tweet Pine

0 Comentários

Em a elite america singer castas distopia editora seguinte kiera cass maxon schreave princesa príncipe romance teammaxon

Resenha: A elite - Kiera Cass

Livro: A elite
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 360
Nota:⭐⭐⭐
⚠️Livro 2 da trilogia "A seleção". Pode conter pequenos spoilers.


Sinopse

A vida no palácio não era tão ruim quanto America imaginava. Ou melhor: com todos os mimos e privilégios que estava tendo, ela já mal se lembrava de como era pertencer à casta Cinco. Ser Um, em compensação, era fácil: suas criadas eram costureiras talentosíssimas e faziam vestidos maravilhosos; os banquetes e as festas que frequentava eram incrivelmente divertidos; e o conforto em que vivia agora seria impensável alguns meses atrás. Além de tudo, quando sentia saudade de casa, tinha Aspen por perto. Ele era compreensivo, companheiro e tinha decidido colocar sua vida em perigo por ela - afinal, o que aconteceria se alguém descobrisse que, além de guarda do palácio, era ex-namorado de uma das candidatas? Era com Aspen que America contava nas horas mais difíceis. Por outro lado, o príncipe Maxon era atraente, bondoso, carinhoso e - o mais importante - desejava America mais do que qualquer outra garota da Elite. Mas, além de estar com o coração secretamente dividido, também era difícil lidar com o fato de que aceitar Maxon significava ter que aceitar uma coroa. America não tinha certeza se gostaria de ser uma princesa. Apesar da vida glamorosa, havia tantas coisas com as quais ela não concordava e que permaneciam sem explicação: por que o palácio sofria tantos ataques rebeldes? O que era reivindicado? Por que os castigos aos infratores tinham de ser tão violentos? O que estava por trás daquele regime de castas tão cruel? O tempo está acabando e as dúvidas de America só aumentam.


Minha opinião

E chegamos à Elite! Para quem não sabe, a Elite são as cinco últimas selecionadas que restaram na corrida pelo amor de Maxon e a coroa.

E o que dizer desse livro, gente? Teve mais ação, conhecemos ainda mais a índole da America que mostra a que veio, vemos um novo lado de Maxon, nos aproximamos mais de Aspen e temos a oportunidade de ver mais da personalidade tanto das selecionadas como da rainha e do rei também. E claro, passar raiva com a indecisão da America.

Enquanto no primeiro livro ficamos com America questionando as intenções de Maxon, nesse conhecemos outros lados dele. O lado que precisa curtir também como qualquer adolescente e um lado que nos mostra que só o fato dele ser príncipe não o garante uma vida só de glamour.

Algumas partes nesse livro são difíceis de ler porque por mais que os livros da trilogia sejam curtos, acabamos nos apegando aos personagens e sofrendo com eles, mas eles também servem para reforçar a empatia que America tem.

Mas também tem momentos de felicidade. As partes de festas no palácio são de ler com um sorriso no rosto e desejar estar lá fazendo parte do banquete.

Por fim, Kiera conseguiu trazer mais um livro com críticas a sistemas autoritários, trazer mais personalidade a cada personagem e nos fazer torcer ainda mais por mudanças nas castas. Nos vemos na próxima resenha com a finalização dessa trilogia que me conquistou.

Esse debate no Lendo Sagas foi ainda mais divertido que o primeiro. Julgamos os personagens, sofremos com outros e criamos antipatia por alguns. Caso queiram entrar no grupo, falem com a gente no @blogsobrealeitura. A próxima leitura será em Novembro com As crônicas de Kane.

Você pode adquiri-lo aqui.

Por Amanda Rocha

Leia Mais

Compartilhe Tweet Pine

0 Comentários

Em editora moderna elenice machado de almeida infanto-juvenil Infantojuvenil livro nacional minha primeira paixão pedro bandeira romance

Resenha: Minha primeira paixão - Elenice Machado de Almeida e Pedro Bandeira

Livro: Minha primeira paixão
Autores: Elenice Machado de Almeida e Pedro Bandeira
Editora: Moderna
Páginas: 120
Nota⭐+🧡


Sinopse

Frida e seus cachinhos ruivos! Pimpo e seus óculos de aros pretos! Frida senta na carteira à frente de Pimpo, na sexta série. Logo, uma implicância feroz nasce entre os dois: "Batata-Frida!", "Cara-de-coruja!". Aos poucos, porém, eles começam a sentir que quem implica muito com o outro é porque se importa com essa pessoa, é porque gosta dessa pessoa.


Minha opinião

Frida acabou de se mudar para uma nova escola, na sala ela é obrigada a se sentar na frente de Pimpo, que logo de cara começa a implicar com a menina, mas ao mesmo tempo fica hipnotizado pelos cachinhos ruivos de Frida, pelos 2015 cachinhos que ele fez questão de contar.

Ao longo do livro, Frida e Pimpo ficam pregando peças um no outro, mas aos poucos eles percebem que quando alguém implica tanto assim é por gostar, e muito.

Minha primeira paixão foi o primeiro livro que eu li na vida, ou seja, tinha uma memória afetiva grande e relendo agora na fase adulta, não fiquei surpresa com o fato de a história ainda ser igualmente cativante como foi na infância. Assim como antigamente, atualmente o final do livro aqueceu meu coração.

Elenice Machado de Almeida começou o livro, escreveu 5 capítulos, mas infelizmente faleceu antes de poder concluir. Coube a Pedro Bandeira finalizar essa história e acredito que Elenice teria ficado muito satisfeita com o rumo que a história levou.

Um livro pequeno, aparentemente despretensioso, mas que promete despertar grandes emoções no leitor.

Você pode adquiri-lo aqui.

Por Priscila Biancardi

 

Leia Mais

Compartilhe Tweet Pine

0 Comentários

Em a seleção america singer distopia editora seguinte kiera cass lendo sagas maxon schreave romance teammaxon trilogia

Resenha: A seleção - Kiera Cass

 

Livro: A seleção
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 368
Nota:4,5
Livro lido na Leitura Coletiva Lendo sagas


Sinopse

Muitas garotas sonham em ser princesas, mas este não é o caso de America Singer. Ela topa se inscrever na Seleção só para agradar a mãe, certa de que não será sorteada para participar da competição em que o príncipe escolherá sua futura esposa. Mas é claro que depois disso sua vida nunca mais será a mesma...

Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.
America Singer, no entanto, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama. Abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.
Então America conhece pessoalmente o príncipe - e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que nunca tinha ousado imaginar.


Minha opinião

Vocês não estão loucos, já houve uma resenha da trilogia A seleção aqui sim em 2018, no entanto, foi da trilogia inteira e pela perspectiva da Priscila, então agora que eu, Amanda, li também graças a leitura coletiva Lendo Sagas, quis trazer minha opinião sobre cada livro separadamente.

O que eu sabia do livro era simplesmente que se tratava de uma seleção de princesas, então vocês não imaginam a minha surpresa ao começar a lê-lo. A seleção é muito mais que um simples romance estilo conto de fadas, é uma distopia e que foge do clichê.

Nele, conhecemos Iléa, um local distribuído por castas do um ao oito, onde a um é a família real e a oito são praticamente mendigos. Nisso a gente já vê uma forte crítica social pela parte de Kiera Cass que ao longo do livro só vai sendo reafirmada.

America Singer é uma número cinco que trabalha com música com sua mãe. Os cinco são voltados para a arte. Ela toca vários instrumentos e canta. America nunca sonhou em ser uma princesa nem em planos mirabolantes para subir de casta. Consegue ser grata por tudo que conquista com seu trabalho e só quer ser feliz desde que haja amor em sua vida, mas consegue reconhecer que subir de casta seria ótimo para a sobrevivência de sua família.

Após receber uma carta a convidando para participar da Seleção e uma promessa de sua mãe, America decide ao menos tentar fazer a inscrição e é assim que a vida dela começará a mudar completamente.

America é uma personagem de personalidade forte e teimosa, mas também muito carinhosa e empática, nos conquista de cara. No entanto, o motivo para eu não dar nota cheia é um triângulo amoroso que embora eu entenda o propósito dele no livro, não consigo entender como uma personagem tão decidida não consegue escolher seu amor.

O debate desse livro no grupo deu o que falar, foi muito divertido! Mas umas coisas foram unânimes: o ódio por Celeste e #TeamMaxon. haha Amanhã teremos o debate de A elite e já posso prever muitas mensagens.

A próxima trilogia que leremos será as Crônicas de Kane. Caso queiram participar, entrem no grupo Lendo Sagas ou falem conosco pelo instagram blogsobrealeitura.

Você pode adquirir o livro aqui.

Por Amanda Rocha

Leia Mais

Compartilhe Tweet Pine

0 Comentários

Em a verdade sobre o caso harry quebert globo play harry quebert intrínseca joël dicker marcus goldman mistério

Resenha: A verdade sobre o caso Harry Quebert - Joël Dicker

 Livro: A verdade sobre o caso Harry Quebert
Autor: Joël Dicker
Editora: Intrínseca
Páginas: 576
Nota+🧡


Sinopse

Marcus Goldman viu sua vida se transformar radicalmente. Com apenas vinte e oito anos, publicou um livro que se tornou um best-seller e o alçou ao status de celebridade, com direito a um apartamento chique em Manhattan, um carrão, uma namorada estrela de TV e presenças constantes nos tapetes vermelhos, além de um contrato milionário para um novo romance. E então foi acometido pela doença dos escritores: a síndrome da página em branco. A poucos meses do prazo para a entrega do novo original, pressionado por seu editor e por seu agente, Marcus não consegue escrever nem uma linha sequer.


Na tentativa de superar seu bloqueio criativo, Marcus recorre a seu amigo e ex-professor Harry Quebert, um dos escritores mais respeitados dos Estados Unidos, que vive numa bela casa à beira-mar na pequenina cidade de Aurora, em New Hampshire. Às voltas com sua dificuldade em escrever, Marcus é surpreendido pela descoberta do corpo de uma jovem de quinze anos, Nola Kellergan — que desaparecera sem deixar rastros em 1975 —, enterrado no jardim de Harry, junto com o original do romance que o consagrou. Harry admite ter tido um caso com a garota e ter escrito o livro para ela, mas alega inocência no caso do assassinato.


Com a mídia inteira contra Harry, Marcus se lança numa investigação particular, seguindo uma trilha de pistas através dos livros de seu mentor, dos bosques, das praias e das áreas isoladas de New Hampshire em busca da história secreta dos cidadãos de Aurora e do homem que mais admira. Uma teia de segredos emerge, mas a verdade só virá à tona depois de uma longa e complexa jornada.


Para salvar Harry, sua carreira literária e a própria pele, Marcus precisa responder a três perguntas, todas misteriosamente conectadas: quem matou Nola Kellergan? O que aconteceu no verão de 1975? E como escrever um romance verdadeiramente bem-sucedido?


Minha opinião

Quem me conhece melhor, sabe que eu, diferente da Priscila, tenho um certo receio de ler livros acima de 500 páginas. Além de ficar me sentindo muito tempo numa mesma história, morro de medo de perder tanto tempo em um livro e ele não me agradar, mas quando Priscila me sugeriu de lermos esse juntas, não hesitei. Essa foi minha segunda experiência com a escrita do autor e esse até então é meu livro favorito dele.

No enredo desse livro, reencontramos Marcus Goldman, o escritor que apareceu em O Livro dos Baltimore, mas na verdade esse livro foi escrito e lançado antes de O livro dos Baltimore, eu que li as ordens invertidas, no entanto, não fez diferença porque nenhum dos dois livros dá spoilers sobre o outro.

Marcus está passando por problemas ao ter que entregar seu segundo livro para a editora. Seu primeiro livro teve um sucesso estrondoso e agora ela passa pelo temido bloqueio criativo. Sendo assim, ele recorre a seu ex-professor universitário e amigo, Harry Quebert.

Harry o convida para Aurora pois acha que a mudança de ares pode ajudá-lo. Harry é um grande mentor para Marcus, ele lançou uma obra-prima quando tinha a idade atual de Marcus, além de lhe dar diversas dicas de como escrever um bom romance.

No entanto, ao descobrirem o corpo da jovem Nola no terreno da casa de Harry, muitos segredos serão desenterrados com ela e Marcus precisa investigar toda essa história a fundo se quiser salvar a pele de seu amigo.

Joël Dicker é sem dúvidas uma das mentes mais brilhantes da atualidade. Ele consegue instigar o leitor, enganá-lo e trazer personagens muito reais. O Marcus mesmo que deveria ser um personagem talvez somente carismático para que nos afeiçoemos por ele, também tem seus defeitos elucidados e isso torna tudo mais papável, afinal de contas, ninguém é perfeito, né?

A verdade sobre o caso Harry é simplesmente uma teia de segredos sendo desvendados e mesmo assim Joël consegue sustentar o mistério principal até o final e ainda nos trazer mais um elemento surpresa que nem imaginávamos. A Priscila conseguiu desvendar alguns segredos antes do final, eu nem suspeitava, e você? Será que seria enganado como eu ou seria um Sherlock Holmes como a Priscila?

Estou ansiosa para assistir a série homônima que tem no catálogo da Globo Play e lógico, lê absolutamente tudo que ele escreveu.

Você pode adquirí-lo aqui.

Por Amanda Rocha

Leia Mais

Compartilhe Tweet Pine

0 Comentários