Em companhia das letras lançamento Raphael montes resenha thriller thriller psicológico Uma mulher no escuro vamos brincar?

Resenha: Uma mulher no escuro - Raphael Montes

Livro: Uma mulher no escuro
Autor: Raphael Montes
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 256
Nota:⭐⭐⭐⭐⭐+❤️

Uma vez comentaram sobre o meu jeito de fazer resenha. Disseram que eu colocava muita intensidade, muita paixão no texto. Eu respondi que minhas resenhas não são técnicas. Falo aqui de leitor para leitor e que quando não pudesse mais expressar todo o sentimento que o livro me causou no meu próprio blog, ele deixaria de existir.

Hoje não será diferente, pois trouxemos a resenha do mais novo livro do Raphael Montes, autor nacional do qual somos grandes fãs. Lembrando que vocês podem ler as resenhas de todos os livros do autor aqui no nosso blog: Suicidas, Dias perfeitos, O vilarejo, Jantar secreto e ainda rolou um especial de curiosidades sobre Jantar Secreto e um dossiê do Raphael Montes.

Agora que já fizemos propaganda, vamos para a resenha.

Neste novo thriller, Raphael mostra mais uma vez porque é um dos autores nacionais mais influentes da atualidade, sempre abordando temas polêmicos em seus livros anteriores, não seria diferente com Uma mulher no escuro.

No livro, somos apresentados à Victoria, que com 4 anos viu sua vida sendo destruída por um assassino que entrou em sua casa e matou a sangue frio seus pais e seu irmão, além de ter pichado o rosto de todos com tinta preta.

Victoria então com 24 anos sofre as consequências físicas e psicológicas desse dia, já que ela não consegue se relacionar com ninguém, então prefere apenas ficar em casa com seu ursinho Abu.

Mas um dia o passado bate à porta de Vic, quando ela entra em casa e encontra uma pichação em seu apartamento que é a marca do assassino dos seus pais e tudo leva a crer que Victoria está sendo observada, e agora a moça deverá encarar seu passado de frente.


Raphael consegue com maestria trazer o pior do ser humano e entregar um final surpreendente como sempre. A riqueza de detalhes no livro cria uma atmosfera tensa e faz com que o leitor fique aflito a cada descoberta feita sobre o assassino. O autor consegue nos transportar para o livro, o que acho essencial para um thriller psicológico. E o ritmo é aquele no qual já estamos habituados: A paranoia vai crescendo conforme a protagonista vai chegando mais perto de descobrir quem é o assassino pichador. Mas o clímax? Esse não tem mesmo como prever e vocês terão que conferir.

A sutileza que Raphael teve para mostrar a dificuldade da jovem de abandonar sua infância mostrando isso em pequenos detalhes, como o ursinho que sempre esteve com ela, os lacinhos para enfeitar o cabelo e a rotina de assistir desenhos animados é de uma sensibilidade incrível.

Eu costumava dizer que Raphael Montes era um mix de Gillian Flynn e Stephen King por causa da reviravolta inesperada, riqueza de detalhes e referências a livros anteriores, que a propósito nesse também tem, mas Raphael já fez seu nome na literatura e mostrou que sabe escrever thrillers como ninguém para ser comparado a outros autores. Raphael é Raphael, e só isso basta. Mal podemos esperar pelo próximo livro.

Por Amanda Rocha e Priscila Biancardi

Posts Relacionados

7 comentários:

  1. Oie!!

    Sou muito fã do Raphael, então imaginar o quanto quero ler esse!!
    Amei a resenha!! Deu pra perceber que mais uma vez ele arrasa e mostra para o que veio!
    E essa capa? A cor?
    Maravilhoso e não vejo a hora de adquirir o meu.

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Nossa, da forma em que você apresentou a obra do Raphael Montes em sua resenha, dá pra ver que o cara escreve pra caramba! Ainda não li nada dele, tenho muita vontade de ler "O jantar secreto" e "O vilarejo",esse último mais ainda. Irei segurar mais um pouco minha curiosidade e comprar esses dois livros na black friday e conforme estiver o preço, incluo essa sua indicação também. Desejo fechar 2019 com pelo menos uma obra dele na minha lista de lidos. E se você e a Fernanda como vi acima curtem esse escritor, com certeza irei gostar demais também, já que nossos gostos por leitura são bem parecidos.

    ResponderExcluir
  3. A sinopse forte já consegue transmitir o tom instigante do livro. Acho que deve ser uma leitura muito intensa, daquelas que a gente não consegue parar de ler até descobrir o final. E que bom que é um autor nacional, o Brasil é um país de muitos talentos.

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Sou apaixonada pelas histórias do Raphael Montes e mal posso esperar para ler este (e também o "Jantar Secreto", que infelizmente ainda não tive oportunidade de ler :/)
    Anyway, sua resenha despertou ainda mais minha curiosidade para ler este livro. A premissa é bem interessante, e essa pegada de "assassino que matou a família e está de volta para te matar" lembra bastante de filmes do gênero suspense/policial, então já sei que virá coisa boa por aí *-*
    Parabéns pela resenha (com amor, paixão e opinião SIM! Tá certíssima!!!) e obrigada pela dica de leitura <3
    Beijinhos e boa semana.
    Isabelle
    https://blogalgodotipo.wordpress.com/
    https://livrosgatoscafe.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Amiga, eu vi comentários seus e retribuí até dizendo que é nítido ao seu público-leitor sentir as resenhas das obras que traz aqui, principalmente quando se tratam de resenhas de obras de Raphael Montes. Mas não pare não! Acho lindo! E sou muito assim também! E valorizo! E tenho orgulho dessa amizade e parceria! Beijos!!!

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li nenhum livro do Raphael, você acredita? E olha que livros nacionais estão na minha TBR todo mês ( um projeto pessoal) então todo mês tem autor nacional lido, mas, como prefiro romances vou adiando a leitura...
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Oie, buongiorno.
    Nossa, eu acho engraçado essa patrulha em cima das resenhas, como se fossemos obrigados a seguir um modelo padrão. Já falaram isso a respeito das minhas e eu dei de ombros. Escrevo o que quero, como quero e pronto. Revolta modo on. rá

    Quanto ao autor... não conheço. Mas deve ser devido ao gênero, não sou fã do gênero no formato tupiniquim. Sempre acho que a literatura policial fica melhor em inglês. Olha o preconceito da Lunna, mas me acostumei a ler nesse idioma. O mesmo ocorre quando me falam que tem um livro de crônicas em francês. Fujo. Esse gênero é brasileiro e ninguém o faz tão bem em outro idioma.
    Nem tente entender a minha loucura.
    Mas vou dar uma lida nos demais posts para saber mais sobre o rapaz-autor e seus livros. O título me chamou a atenção.

    bacio

    ResponderExcluir