Resenha: Queria ver você feliz - Adriana Falcão

thumbnail_Livro-Adriana-Falcão-PopGlam-Blob-Foto-1-1Foto por popglam.com.br

Livro: Queria ver você feliz
Autor: Adriana Falcão
Editora: Intrínseca
Páginas: 160
Nota: 5/5


Sinopse


Há quem o chame de Eros, Kama, Philea ou Ahava. O Amor, esse personagem mítico, desempenha o papel de narrador na história real do casal Caio e Maria Augusta, pais da autora Adriana Falcão. O Amor se descreve como perfeccionista e obcecado pelos detalhes, nada que o impeça de ser um bocado descuidado com as consequências dos sentimentos que provoca com suas flechas.


Assim, com uma linguagem poética e ao mesmo tempo muito bem-humorada, Adriana revela para seus leitores aquilo que poderia ser descrito como uma história trágica protagonizada por dois personagens atormentados por seus demônios. Apaixonados, Caio e Maria Augusta se casam no Rio de Janeiro da década de 1950 e têm três filhas. Todo o sentimento que eles compartilham não impede que a personalidade exuberante de Maria Augusta se torne mais obsessiva e asfixiante com o passar do tempo, apesar dos medicamentos e dos tratamentos psiquiátricos. Caio, por sua vez, aprofunda uma melancolia que existia nele desde a adolescência, e que culmina nos anos 1970 em tentativas de suicídio.

Mais do que uma história com um final dramático, trata-se de memórias afetivas que alternam momentos de intensa felicidade e outros tantos de dor, como acontece nas melhores famílias.



Minha opinião


Essa é a história de Caio e Maria Augusta.


Narrado por Eros, Kama, Philea, Ahava ou simplesmente Amor, esse sentimento nos leva ao Rio de Janeiro, maio de 1947, mais precisamente até a Fonte da Saudade onde Caio e Maria Augusta se viram pela primeira vez. Ele, um garoto melancólico de 15 anos e ela, uma garota desvairada para época de apenas 14 anos. Os olhos se cruzam, a fitinha cai, começa uma chuva fina, tudo bem romântico.


A partir daí a história de Caio e Maria Augusta se desenrola de um jeito proibido, divertido e dramático. Os bilhetinhos de encontro que os dois trocavam, as cartas que eram enviadas durante as férias de Maria Augusta em Porto Alegre enquanto Caio permanecia no Rio de Janeiro, além de preencher boa parte do livro, nos mostra uma jovem intensa, amorosa, louca de amor e que sentia paixão até demais por aquele jovem loiro e festeiro.


Alternando entre crises de bipolaridade e declarações de amor, Caio e Maria Augusta se envolvem ainda mais num romance dramático que os acompanha até o fim da vida.


O que esse livro tem de especial, João?


Queria ver você feliz é um romance de época tipicamente brasileiro. Cheio de dramas, momentos divertidos e tragédias, como qualquer história de amor real. Falando em realidade, o maior trunfo do livro é que ele é baseado em fatos reais, Adriana Falcão, além de ser autora do livro, é filha de Caio e Maria Augusta.


O modo como Adriana dispôs os fatos reais e íntimos desse casal tão singular, narrados pelo responsável disso tudo, faz com que Queria ver você feliz se torne uma história avassaladora e cativante, assim como é o Amor, ou Eros, ou Kama, ou Philhea, ou Ahava.


Por João Marcos

Talvez você também goste

0 comentários