Resenha: Cidade dos mortos - Eles não morrem, de Joe McKinney

  • fevereiro 06, 2018
  • By Pedagogia Criativa
  • 1 Comments

PicsArt_02-01-05.45.02.jpg


Livro: Cidade dos Mortos – Eles não morrem
Autor: Joe Mckinney
Editora: Novo século
Páginas: 296
Nota: 5/5


Sinopse
Atingida por cinco furacões catastróficos em três semanas, o Texas Gulf Coast e metade da Lone Star State está sofrendo a pior devastação da história. Milhares de pessoas estão mortas ou morrendo - mas o pior é só o começo. Entre os destroços, algo inimaginável acontece: um vírus mortal foi quebrado, retornando os mortos à vida - com uma insaciável fome de carne humana ... Em poucas horas, a praga se espalhou por todo o Texas. Polícia de San Antonio oficial Hudson Eddie descobre que sua cidade invadida por um exército voraz dos mortos-vivos. Junto com um pequeno grupo de sobreviventes, Eddie precisam lutar contra a horda selvagem em uma corrida para salvar sua família ... Não há lugar para correr. Não há lugar para se esconder. A horda de zumbis está crescendo como o vírus corre solta. Eddie sabe que tem que encontrar uma maneira de destruir esses horrores andar ... mas ele não sabe o preço que ele terá que pagar.
-----------------------------------------------------------
Minha opinião
Eu li esse livro por indicação do meu namorado, mas com certa relutância, por pensar se tratar de uma trama igual a The Walking Dead, felizmente ele insistiu pra eu ler.
O livro logo no começo já é cheio de ação, não demora muito para as coisas acontecerem, até porque o livro basicamente se passa em um dia.
O livro é narrado em primeira pessoa por Eddie, o que pra mim é ótimo, assim podemos saber o que um personagem naquela situação está pensando, e com isso vemos que ele logo percebe o que está acontecendo e do se trata aquelas “pessoas” estranhas, não é necessário vários meses para o personagem se adaptar a nova realidade (ao contrário de uma certa franquia rsrs).
Apesar de ser um livro bem escrito algo no livro me incomodou, que foi o fato dos personagens gastarem muita munição à toa, situações que poderiam matar um zumbi facilmente com um golpe de faca, são usadas balas sem nenhuma razão, mas não é algo que atrapalha a leitura.
Para concluir, é um livro bem escrita, onde os personagens se preocupam com algumas questões além da sobrevivência, como por exemplo, do que se trata essa nova condição? Será um vírus, uma bactéria? Os personagens são cativantes, claro que tem algumas coisas que nos incomoda no sentido de praticidade, mas não é nada que atrapalhe a leitura. Vale a pena dar uma conferida para aprender a como se portar em um apocalipse zumbi.


Por Priscila Biancardi

Talvez você também goste

1 comentários